Luzes da Cidade

Reprodução na íntegra da coluna da 1ª edição da Revista De Letra.

Por: Arthur Chrispin*

Num engarrafamento de uma segunda-feira, bem cedo, nos confins de Pernambuco, tentava eu chegar ao trabalho. Você sai do turbilhão do Rio de Janeiro esperando encontrar uma vida pacata, mas não é isso que acontece. Entre 6 e 7 da manhã, já está tudo engarrafado há três quilômetros do seu local de labuta. Ao lado, um campinho de futebol lotado. Trabalhadores que vão encarar Suape posteriormente batendo uma pelada que pode ser chamada de “Missa do Galo”. Afinal, futebol é religião.

Futebol de campo. Onze contra onze. Como deve ser. O engarrafamento não anda e eu consigo enxergar naquela partida simples, em plena segunda, um jogo de verdade. Há um time de colete vermelho e preto. Oras, rubro-negro. Claro, é o Flamengo. Somos os únicos rubro-negros, todos os outros são vermelhos e pretos. E o time do Flamengo ataca com o carequinha, que apelidarei de Deivid. Mas Deivid perde um gol incrível. O xingo mentalmente: “filho da puta”.

– Filho da puta!

Assim xinga o companheiro de ataque do carequinha, de cabelos grandes, quase um Ronaldinho. Mas entre 6 e 7 da manhã, correndo assim, não pode ser o Ronaldinho. Deve ser o Vagner Love. O carequinha o olha contrariado e logo em seguida faz um golaço de cabeça, testando de olho aberto. O cabeludo aplaude, o carequinha grita: “sou foda”. Ambos riem. Dig Din.

O time adversário desce atacando, de colete fluorescente. Não existem muitos times de neon neste esporte sagrado. Talvez o Palmeiras, talvez o Salgueiro. Não, o Salgueiro não, o colete não tem o patrocínio do Limão com Mel. Mas isso é irrelevante. Lá vêm eles atacando, cruzamento na área, bate e rebate, bola na trave. Mas que coisa, até no Flamengo da pelada há problemas com a bola aérea. O goleiro, o Felipe da pelada, uma maquete do Felipe, com 1,60m, reclama com a zaga.

E o jogo continua fluindo. O time das canetas marca-texto faz uns três ou quatro gols, o Mengão da Muribeca faz uns cinco ou seis. A nossa defesa, com um cara altão, que deve ser o González, está meio desorganizada. E o nosso meio numa tática de padaria, defendendo em bloco e atacando em massa.

O povo se amontoa ao lado, um cavalo passa na frente da minha visão e… uma buzina começa a tocar muito forte atrás de mim. A pista desobstruiu, o fluxo volta a correr. O relógio marca 07h24. Às vezes esquecemos as coisas prosaicas em meio ao estresse e às luzes da cidade. Hora de começar a trabalhar, sem nunca deixar de pensar no futebol, que existe em todos lugares, sempre partindo de nós.

*texto publicado originalmente no blog Cotidiano & Outras Drogas

Advertisements
This entry was posted in Revista and tagged , . Bookmark the permalink.

One Response to Luzes da Cidade

  1. alice says:

    Grazie all’autore del post, hai detto delle cose davvero giuste. Spero di vedere presto altri post del genere, intanto mi salvo il blog tra i preferiti.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s